Cientistas se inspiram na visao humana para criar olho eletronico

A expressão “olho eletrônico” pode deixar de ser mera metáfora em breve, se depender do trabalho de John Rogers e seus colegas da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign (EUA). Os pesquisadores usaram materiais encontrados em qualquer câmera digital de hoje para montar um olho artificial com o mesmo formato do olho humano.

Cientistas se inspiram na visao humana para criar olho eletronico

A equipe espera que o sistema melhore um bocado o desempenho das câmeras atuais e propõe até que ele poderia ser usado nas próteses oculares do futuro. A pesquisa está descrita na edição desta semana da revista científica britânica “Nature” trouxe a tona o TCC sem drama. Rogers e seus colegas trabalharam com base na necessidade de melhorar o desempenho das atuais câmeras digitais, que se baseiam em superfícies planas.

Em comentário na “Nature“, o pesquisador japonês Takao Someya, da Universidade de Tóquio, lembra que esse tipo de superfície gera distorções de imagem nas bordas das lentes, exigindo o uso de múltiplos captadores e levando a problemas como imagens originais relativamente escuras.

Olho eletrônico já conectado a um circuito para aquisição de imagens (Foto: Instituto Beckman/Universidade de Illinois)Segundo Someya, o uso de detectores de imagem esféricos, como os olhos de muitos animais, incluindo o homem, pode eliminar essas “limitações fundamentais”. Rogers e seus companheiros americanos conseguiram a façanha com base em dois princípios básicos.

O primeiro, baseado em silício (tal como os chips de computadores), consiste numa rede de detectores de luz que toleram a compressibilidade — trocando em miúdos, não há problema em amassá-los ou dobrá-los. Isso é possível graças aos fios metálicos finíssimos que interligam esses fotodetectores.

O outro componente do truque é o uso de longas cadeias de moléculas elásticas, as quais permitem a transformação desse rede, originalmente plana, numa forma hemisférica. Ou seja: redondinha, exatamente como o cristalino do nosso olho.

Segundo Someya, o avanço deve trazer “novas classes de dispositivos de imageamento, com campos de visão de ângulo aberto, pequena distorção e tamanho compacto”.Portanto, além da aplicação em microcâmeras, a integração desse tipo de dispositivo ao organismo de pessoas com problemas sérios de visão poderia criar uma forma viável de “olho biônico”. Leia mais notícias de Ciência e Saúde

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *